quarta-feira, 12 de julho de 2017

O Banquete Messiânico





Uma das coisas mais fascinantes da Bíblia - especificamente neste caso sobre escatologia - é que existem muitos temas e motivos que são discutidos ao longo das escrituras. Como seres humanos, todos nós temos maneiras particulares pelas quais gostamos de aprender, então o Deus dos Céus nos forneceu muitas lentes para ver a história da redenção, para que possamos entender melhor o significado e a mensagem. O tema que vamos discutir hoje é o do Banquete Messiânico - também chamado de Festa Messiânica, Ceia de Casamento do Cordeiro ou o Banquete da Ressurreição. Alguns podem se opor a alguns desses termos, porque eles não são expressamente declarados na Bíblia, mas vemos que é um termo bíblico do mesmo modo que o plano de salvação ou escatologia são termos bíblicos. O termo profecia messiânica é uma categoria de profecias sobre a vida, o trabalho e a mensagem do Messias. O termo banquete messiânico é uma referência à festa espiritual que se realizaria na consumação da obra do Messias para reivindicar seu povo e manifestar o Reino dos Céus. A observação do Professor Craig S. Keener em Isaías 25: 6-7 é extremamente útil na compreensão do banquete messiânico:



E o SENHOR dos Exércitos dará neste monte a todos os povos uma festa com animais gordos, uma festa de vinhos velhos, com tutanos gordos, e com vinhos velhos, bem purificados.
E destruirá neste monte a face da cobertura, com que todos os povos andam cobertos, e o véu com que todas as nações se cobrem.”
Isaías 25: 6-7



Em Isaías 25: 6-7 Deus anuncia um grande banquete para todos os povos (cf. Ap 19: 7), e em Isaías 25: 8 a promessa da libertação da morte. Em Isaías 25: 9 o povo de Deus celebra a sua salvação, declarando: "Alegremo-nos e se alegrem" na salvação que Deus havia promulgado em seu nome. O Antigo Testamento e, mais tarde, a literatura judaica comparavam Israel com uma noiva casada com Deus; Cf. Apocalipse 21: 2. A era messiânica ou o mundo vindouro também foram retratados como um banquete.


A explicação de Adam Clarke (1760-1832, teólogo metodista britânico e estudioso bíblico) sobre Isaías 25: 6 vemos abaixo:

“Isso não pode ser senão a celebração do estabelecimento do reino de Cristo, que é freqüentemente representado no Evangelho sob a imagem de uma festa ... Esse sentido é plenamente confirmado pelos concomitantes desta festa expressada no próximo verso, a remoção de O véu da face das nações e a abolição da morte: o primeiro dos quais é obviamente e claramente explicado sobre a pregação do Evangelho; E o segundo deve significar a benção da imortalidade adquirida por nós por Cristo”




O banquete messiânico é a celebração final da imortalidade, a manifestação do reino de Deus, a derrota de Babilônia (Jerusalém) e da morte (morte espiritual) e a perfeição do corpo de Cristo (Efésios 4: 12-16, Lucas 21: 27-32). No entanto, o cumprimento do banquete messiânico não pode ser posterior à queda de Jerusalém em 70 dC (Mateus 22: 7). Para declará-lo de outra forma:



O banquete messiânico é uma celebração da derrota da morte.

O banquete messiânico coincide com a queda de Jerusalém em 70 dC.

A derrota da morte se manifestou na queda de Jerusalém em 70 dC.




O lembrete deste artigo será demonstrar esse poderoso fato de que o Banquete Messiânico está associado à Ressurreição do Remanescente de Israel. Em seguida, precisamos refletir sobre a totalidade de Isaías 25: 6-9 para um conceito bíblico do significado por trás do banquete messiânico:




“6 E o SENHOR dos Exércitos dará neste monte a todos os povos uma festa com animais gordos, uma festa de vinhos velhos, com tutanos gordos, e com vinhos velhos, bem purificados.
7 E destruirá neste monte a face da cobertura, com que todos os povos andam cobertos, e o véu com que todas as nações se cobrem.
8 Aniquilará a morte para sempre, e assim enxugará o Senhor DEUS as lágrimas de todos os rostos, e tirará o opróbrio do seu povo de toda a terra; porque o SENHOR o disse.
9  E naquele dia se dirá: Eis que este é o nosso Deus, a quem aguardávamos, e ele nos salvará; este é o SENHOR, a quem aguardávamos; na sua salvação gozaremos e nos alegraremos.”
Isaías 25: 6-7







Todo esse contexto é uma discussão sobre os últimos dias da Antiga Aliança de Israel, segundo a carne. Às vezes é referido como o "Pequeno Apocalipse" devido à sua relação com o Livro do Apocalipse. Este artigo não pretende ser um estudo detalhado deste texto. Isaías 25: 6 nos ensina que o banquete messiânico aconteceria para celebrar a morte (não a morte física, mas a morte do pecado) sendo engolida na vitória (uma passagem que Paulo faz referência em 1 Coríntios 15:56). Se você seguir as declarações "naquele dia" ao longo deste texto, você achará que o cumprimento dela seria quando "Ele faz todas as pedras do altar como pedras de cal pulverizadas" .


“Por isso se expiará a iniqüidade de Jacó, e este será todo o fruto de se haver tirado seu pecado; quando ele fizer a todas as pedras do altar como pedras de cal feitas em pedaços, então os bosques e as imagens não poderão ficar em pé.
Isaías 27: 9”


“E, QUANDO Jesus ia saindo do templo, aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo.
Mateus 24: 1”



Uma nota interessante a respeito deste texto é que a morte (morte do pecado) é apenas engolida para aqueles "nesta montanha". A palavra montanha ou monte é usada em todo o livro de Isaías para se referir ao Reino de Deus que seria estabelecido nos Últimos dias, vejam.




“E acontecerá nos últimos dias que se firmará o monte da casa do SENHOR no cume dos montes, e se elevará por cima dos outeiros; e concorrerão a ele todas as nações.
E irão muitos povos, e dirão: Vinde, subamos ao monte do SENHOR, à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do SENHOR.”
Isaías 2: 2-3

“Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte, porque a terra se encherá do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar.”
Isaías 11: 9

“E será naquele dia que se tocará uma grande trombeta, e os que andavam perdidos pela terra da Assíria, e os que foram desterrados para a terra do Egito, tornarão a vir, e adorarão ao SENHOR no monte santo em Jerusalém.”
Isaías 27:13

“O lobo e o cordeiro se apascentarão juntos, e o leão comerá palha como o boi; e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum em todo o meu santo monte, diz o SENHOR.”
Isaías 65:25

“E trarão a todos os vossos irmãos, dentre todas as nações, por oferta ao SENHOR, sobre cavalos, e em carros, e em liteiras, e sobre mulas, e sobre dromedários, trarão ao meu santo monte, a Jerusalém, diz o SENHOR; como quando os filhos de Israel trazem as suas ofertas em vasos limpos à casa do SENHOR.”
Isaías 66:20




Neste contexto, a montanha é identificada como o Monte de Sião (Isaías 24: 3). Paulo disse no fim da era da Antiga Aliança (Hebreus 8:13) que os cristãos do primeiro século "vieram ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial" (Hebreus 12:22). Então, eles foram informados: "aqui não temos uma cidade duradoura, mas estamos buscando a cidade que está por vir" (Hebreus 13:14). Esta é a mesma cidade que João viu que saiu do céu após o pecado - a morte foi engolida (Apocalipse 21: 1). Quantos novas Jerusalém existem? Quantas noivas de Cristo estão lá? Quantas vezes a morte (pecado-morte) pode ser engolido? O argumento é que o banquete messiânico para celebrar a derrota da morte espiritual logo aconteceu a partir da perspectiva dos santos do primeiro século e seria cumprido após a derrota da cidade onde o Senhor foi morto (Apocalipse 1: 1, 3 ; 11: 8).



“E maravilhou-se Jesus, ouvindo isto, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo que nem mesmo em Israel encontrei tanta fé.
Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus;
E os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.”
Mateus 8: 10-12





Um aspecto do banquete messiânico que realmente precisa ser entendido é o fato de que somente os fiéis poderiam se sentar à mesa. Independentemente da nacionalidade, do gênero ou do status social, qualquer um poderia se juntar a Abraão, Isaque e Jacó na mesa, desde que permitissem a fé em Deus e manifestassem fidelidade aos seus ensinamentos. O reclinar na mesa contrasta com a expulsão dos filhos do Reino. Esses filhos do Reino eram aqueles que eram da nação eleita, mas, como eles se recusaram a seguir Jesus, foram expulsos quando a serva (a antiga Jerusalém) foi expulsa e a nação foi dada a um povo disposto a produzir os frutos da vinha de Deus (Gálatas 4: 22-31, Mateus 21:43, Romanos 11:28, Daniel 7:27). Abraão, Isaque e Jacó podem comparecer a esta festa porque ressuscitaram para a vida em Cristo - o único lugar onde ocorre a imortalidade (1 Timóteo 6:16; 2 Timóteo 1:10).


"Aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver, ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém."
1 Timóteo 6:16

"E que é manifesta agora pela aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte, e trouxe à luz a vida e a incorrupção pelo evangelho;"
2 Timóteo 1:10





Mais uma vez, isso ocorre no Reino de Deus - o Monte Sagrado de nossa discussão anterior (Isaías 2: 1).



1  ENTÃO Jesus, tomando a palavra, tornou a falar-lhes em parábolas, dizendo:
2  O reino dos céus é semelhante a um certo rei que celebrou as bodas de seu filho;
3  E enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas, e estes não quiseram vir.
4  Depois, enviou outros servos, dizendo: Dizei aos convidados: Eis que tenho o meu jantar preparado, os meus bois e cevados já mortos, e tudo já pronto; vinde às bodas.
5  Eles, porém, não fazendo caso, foram, um para o seu campo, outro para o seu tráfico;
6  E os outros, apoderando-se dos servos, os ultrajaram e mataram.
7  E o rei, tendo notícia disto, encolerizou-se e, enviando os seus exércitos, destruiu aqueles homicidas, e incendiou a sua cidade.
8  Então diz aos servos: As bodas, na verdade, estão preparadas, mas os convidados não eram dignos.
9  Ide, pois, às saídas dos caminhos, e convidai para as bodas a todos os que encontrardes.
10  E os servos, saindo pelos caminhos, ajuntaram todos quantos encontraram, tanto maus como bons; e a festa nupcial foi cheia de convidados.
11  E o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste de núpcias.
12  E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu.
13  Disse, então, o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o, e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.
Mateus 22: 1-13





O ponto principal que eu quero mostrar aos leitores é que a partir desta parábola, o banquete de casamento do Messias aconteceria quando a cidade que matou o Filho de Deus fosse destruída. Isso, visto em uma quantidade abundante de fontes textuais e extratextuais, ocorreu em 70 dC. Sabendo o que sabemos sobre Apocalipse, Isaías 25 e Mateus 8, não é nenhuma surpresa que Jesus continuasse a ser consistente com esse tema. Tenha em mente, ao ler este texto, que o banquete messiânico traz muito peso e implicações escatológicas - alguns desses que são o estabelecimento do Reino Eterno, a derrota da morte (morte do pecado) e a perfeição da Igreja.




“12  E dizia também ao que o tinha convidado: Quando deres um jantar, ou uma ceia, não chames os teus amigos, nem os teus irmãos, nem os teus parentes, nem vizinhos ricos, para que não suceda que também eles te tornem a convidar, e te seja isso recompensado.
13  Mas, quando fizeres convite, chama os pobres, aleijados, mancos e cegos,
14  E serás bem-aventurado; porque eles não têm com que to recompensar; mas recompensado te será na ressurreição dos justos.
15  E, ouvindo isto, um dos que estavam com ele à mesa, disse-lhe: Bem-aventurado o que comer pão no reino de Deus.
16  Porém, ele lhe disse: Um certo homem fez uma grande ceia, e convidou a muitos.
17  E à hora da ceia mandou o seu servo dizer aos convidados: Vinde, que já tudo está preparado.
18  E todos à uma começaram a escusar-se. Disse-lhe o primeiro: Comprei um campo, e importa ir vê-lo; rogo-te que me hajas por escusado.
19  E outro disse: Comprei cinco juntas de bois, e vou experimentá-los; rogo-te que me hajas por escusado.
20  E outro disse: Casei, e portanto não posso ir.
21  E, voltando aquele servo, anunciou estas coisas ao seu senhor. Então o pai de família, indignado, disse ao seu servo: Sai depressa pelas ruas e bairros da cidade, e traze aqui os pobres, e aleijados, e mancos e cegos.
22  E disse o servo: SENHOR, feito está como mandaste; e ainda há lugar.
23  E disse o senhor ao servo: Sai pelos caminhos e valados, e força-os a entrar, para que a minha casa se encha.
24  Porque eu vos digo que nenhum daqueles homens que foram convidados provará a minha ceia.”
Lucas 14: 12-24





Esta passagem é verdadeiramente fascinante, e sua lição sobre a escatologia não tem preço. Vou apresentar a interpretação do mesmo em forma de bala.

Quando um amigo convida outro para o jantar, o indivíduo convidado, muitas vezes, retorna o favor ao longo da vida. Eles são reembolsados ​​com comida física em uma festa física.

Jesus insta seus discípulos a convidar os pobres e os infelizes a comer carne física, sabendo que não seriam recompensados ​​de uma maneira carnal. Em vez disso, eles seriam recompensados ​​com a ressurreição do justo.
A ressurreição do justo é mencionada três outras vezes na Escritura se a memória me servir corretamente: Daniel 12: 2; João 5: 28-29; Atos 24: 14-15. Isso não quer dizer que essas são as únicas passagens de ressurreição, mas todas elas estão estruturadas de maneira semelhante à sua passagem de origem: Daniel 12. Nos outros textos mencionados, a ressurreição do justo é mencionada ao lado da ressurreição dos injustos. Este é o único lugar em que é mencionado sozinho.


Em resposta a esta afirmação, o público reconhece que Jesus está se referindo ao banquete messiânico, então um homem diz: "Bem-aventurados todos os que comerão pão no Reino de Deus!" (Versículo 15). Jesus, em passagens como João 6, indica que Ele é a carne e a bebida para os que estão no Reino de Deus (João 6: 32ss). Ele estava, é claro, falando sobre o Evangelho de vida dele - não que devamos comer Sua carne física para obter a vida (João 6:63).
Então, vemos que Jesus relaciona a sua audiência com uma parábola surpreendentemente semelhante e contém o mesmo assunto para Mateus 22 - cuja realização é a queda de Jerusalém em AD


Entenda a ideia!

O banquete messiânico é o tempo da ressurreição do justo (Lucas 14:14)

O banquete messiânico foi disponibilizado na queda de Jerusalém em 70 dC (Mateus 22: 7 e outros)

A ressurreição do justo ocorreu na queda de Jerusalém em 70 dC, e agora podemos ter acesso à vida de ressurreição através das palavras de Cristo (João 6: 32 ss).


CONCLUSÃO

Falando sobre esse tema, o escritor Sam Dawson capturou o coração do banquete messiânico com as seguintes palavras:

“O que Jesus acabou de fazer no Apocalipse? Ele convidou os judeus para o seu Reino durante o seu ministério terrenal, e eles, em grande parte, o rejeitaram, e os apóstolos que enviou com o mesmo convite. Ele queimou sua cidade em Apocalipse 18, e agora o que está acontecendo em Apocalipse 19? Ele está indo bem com o casamento. Mais uma vez, seu plano não mudou nada!”

Os comentários do também escritor Stuart Russell sobre Mateus 22 merecem uma boa leitura:
“Ele aponta claramente para a próxima consumação do Reino dos Céus. A vingança tomada pelo rei sobre os assassinatos de seus servos, e sobre a sua cidade, conserta a aplicação a Jerusalém e aos judeus. Os exércitos romanos eram apenas carrascos de justiça; E Jerusalém pereceu por sua culpa e rebelião contra seu Rei.”

O banquete messiânico foi disponibilizado inquestionavelmente na queda de Jerusalém em 70 dC. Isto prova sem qualquer sombra de dúvida de que a ressurreição do justo, a derrota da morte (pecado-morte) e o estabelecimento do reino eterno foram todos cumpridos dentro da geração dos santos do primeiro século (Mateus 24:34). Mais uma vez, J. Stuart Russell alegou:


"Com o risco, então, de ser considerado superficial, digo que devemos nos apegar ao simples ensinamento das palavras da Escritura, pondo em análise a todas as especulações fantasiosas e conjecturadas de meramente humano em origem, não importa o quão aprendida ou digna de conhecimento a partir do qual elas vieram”.




E aí gostou desse estudo, ele foi útil para que você possa continuar suas pesquisas e estudos ou percebeu alguma pista para um assunto? Então deixe um comentário. Fiquem à vontade.

Autor: Irmão Deivid Gama  

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

O Tabernáculo Escatológico de Deus

“Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens”




O Tabernáculo de Deus ou o Templo Escatológico é um tema chave da Bíblia e particularmente da doutrina da ressurreição no Novo Testamento. É o destino onde todos os caminhos levam no tempo do fim. A Ressurreição ocorre no Tabernáculo de Deus!


Nossa premissa para este estudo é que a morte é tragada na vitória, ou seja, no Tabernáculo Escatológico de Deus.


“1 E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe.
2 E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.
3 E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus.
4 E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.”
Apocalipse 21: 1-4






Quase sem falta, cada menção da ressurreição no Novo Testamento é seguida de perto, precedida ou ligada a uma discussão dos últimos dias e o tabernáculo e vice-versa.


O Tabernáculo de Deus chegou em 70 AD!


A passagem do céu e da terra no verso 1 do texto é o fim do sistema da Antiga Aliança ou do povo do Antigo Pacto.


“Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim abrogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido. Mateus 5:17,18”
“Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam. O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar. Mateus 24:34,35”


Observem nesses dois versos que os velhos céus e velha terra passariam naquela geração, logo o cumprimento de Apocalipse 21: 1-4 deve ocorrer também naquela geração e os velhos céus e velha terra representam o sistema da Antiga Aliança. Foi o tempo em que a cidade santa, a nova Jerusalém desceu do céu na visão de João. A Cidade Santa é o Tabernáculo de Deus. Quando a Nova Jerusalém desce do céu na visão, uma grande voz diz: “Eis o Tabernáculo de Deus com os homens". Portanto, a Nova Jerusalém, Cidade Santa, é o Tabernáculo de Deus. É o Novo Céu e Nova Terra de Deus.






Novo Céu e Nova Terra = Tabernáculo ou Templo Escatológico de Deus = Nova Jerusalém.


O que Deus afirma para esta casa ou tabernáculo não feito por mãos?


“Não haverá mais morte”.


Em outras palavras, no Tabernáculo de Deus, a morte foi derrotada e removida, isto é, na Cidade Celestial que desceu do céu na visão.


Esta também é a Parousia de Cristo. Como podemos afirmar isso? É porque Cristo e Deus é o Templo desta cidade.


“E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro. Apocalipse 21:22”


Compreenderam a associação? A Nova Jerusalém é a Cidade Santa, que é o Templo ou Tabernáculo Escatológico do tempo do fim e que é Deus e o Cordeiro. E se João ver a vinda da Cidade ou do Templo, na verdade ele está vendo a vinda do Senhor.






O Tabernáculo de Deus é o Céu na Terra. Com esse raciocínio podemos concluir que toda vez que aparecer esses termos, principalmente no livro do Apocalipse, se trata dos mesmos termos. Aquilo que estamos chamando de Templo ou Tabernáculo Escatológico do tempo do fim é chamado de Santuário Celestial pelos Adventistas do 7º Dia. Esses irmãos se orgulham por ter teorias não apreciadas pelos evangélicos comuns e que “só eles tem”, como a Teoria mirabolante do Santuário Celestial Adventista. Usando alguns versos que tratam do Templo dos Últimos Dias, eles acreditam que há no Céu um templo semelhante ao templo físico que existiu e que Jesus não chegou ao Santíssimo na ascensão e só fez isso em 1844. Mas a Bíblia diz que Ele chegou ao lugar mais santo do Universo quando chegou ao Pai.


A quem vencer, eu o farei coluna no TEMPLO do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome. Apocalipse 3:12


Versos do Apocalipse onde consta o Templo.


"E abriu-se no céu o TEMPLO de Deus, e a arca da sua aliança foi vista no seu templo; e houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos e grande saraiva." Apocalipse 11:19


"E saiu do TEMPLO, que está no céu, outro anjo, o qual também tinha uma foice aguda." Apocalipse 14:17


"E depois disto olhei, e eis que o TEMPLO DO TABERNÁCULO do testemunho se abriu no céu." Apocalipse 15:5


"E o TEMPLO encheu-se com a fumaça da glória de Deus e do seu poder; e ninguém podia entrar no TEMPLO, até que se consumassem as sete pragas dos sete anjos." Apocalipse 15:8


"E os sete anjos que tinham as sete pragas saíram do TEMPLO, vestidos de linho puro e resplandecente, e cingidos com cintos de ouro pelos peitos." Apocalipse 15:6


"E ouvi, vinda do TEMPLO, uma grande voz, que dizia aos sete anjos: Ide, e derramai sobre a terra as sete taças da ira de Deus." Apocalipse 16:1


"E o sétimo anjo derramou a sua taça no ar, e saiu grande voz do TEMPLO do céu, do trono, dizendo: Está feito." Apocalipse 16:17


"E nela não vi TEMPLO, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro." Apocalipse 21:22







O Templo Escatológico representa todos os efeitos da parousia ou o mais popular, segunda vinda.
Observaram, por exemplo, que o Templo é que causa a tribulação no livro? E se Deus e o Cordeiro são esse Templo, logo eles causam a tribulação. É importante ressaltar que o livro do Apocalipse não é uma história de capítulos. Quero dizer que o mesmo enredo é contado do início ao fim de modo diferente de várias vezes. Lembram-se dos dois sonhos de Faraó que eram o mesmo evento visto de duas formas. Assim é muitas vezes no Apocalipse. O mesmo evento é retratado com visões diferentes, não tendo nada de sequencial e temporal, para surpresa dos curiosos.


Assim, uma glória escatológica de Deus está no templo escatológico. Não há saída escatológica no NT que ocorra fora da esfera do tabernáculo escatológico de Deus. Mesmo os textos do reino que falam de Jesus vindo em sua glória, estão envoltos na glória da tenda sagrada do templo.


O tabernáculo de Deus em Apocalipse 13: 6,7 mostra os santos que habitam no céu, isto é, na tenda celestial de Deus.


Assim como a Babilônia Misteriosa, a cidade prostituta da Velha Jerusalém se sentava como uma rainha vestida de púrpura, escarlata, ouro e pedras preciosas, a nova Jerusalém celeste é descrita do mesmo, mas a excedendo em glória.


“E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória? Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.”
1 Coríntios 15:54-56


Nesse verso vemos a derrota escatológica da “morte” ainda num futuro para Paulo que não pode ser outra derrota diferente de Apocalipse 21: 4 e de outras profecias da derrota escatológica da morte em outras partes da Bíblia. É sempre a mesma derrota final.


“E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.” Apocalipse 21: 4







O resultado direto da derrota escatológica da morte é obviamente a ressurreição. Personificando a morte espiritual como um ser que aprisionava os filhos de Deus, com a sua derrota eles estão livres para estar com Deus. Nesse sentido morrer significa afastar-se de Deus, logo ressuscitar significa voltar-se a Deus, tanto os fisicamente vivos ou não.


Muita calma nessa hora!


“Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.”
1 Coríntios 15:56


Como já provamos em Mateus que Jesus disse que a Lei só passaria quando os céus e terra passassem e depois disse que os céus e terra passariam naquela geração, logo a Lei passou e se a Lei passou o pecado perdeu sua força e a morte perdeu seu aguilhão.  Aguilhão era uma grande vara para conduzir gado, tendo numa das extremidades um ferro de ponta aguçada. Logo a morte perdeu simbolicamente sua arma ou seu poder, ou seja, “não haverá mais morte”.






“E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual era transitória,”
2 Coríntios 3:7


Vejam que a queda da morte coincide com a passagem da Lei e que agora nesse verso a Lei é chamada de ministério da morte.


“Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”
Gênesis 2:17


Quando Adão comeu do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal ele morreu no mesmo dia? Cuidado com o que responderá. Logicamente ele morreu quando Deus o expulsou de sua presença, onde o Édem era seu “primeiro” tabernáculo e sua glória era manifestada.


O Templo Escatógico é o local de adoração da Nova Aliança que Jesus prometeu.


“Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai.”
João 4:21
“Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.”
João 4:23






O Senhor promete um novo tabernáculo por que Ele se refere a um novo local de adoração e disse que era breve, observe o “e agora é”.


“Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem viverão.”
João 5:24,25


Observaram também que tinha uma ressurreição próxima também por causa do “e agora é”.


Porém essa era para os mortos que ouviriam a voz do Filho de Deus e que eram aqueles do “quem ouve a minha palavra”. E quem ouve a palavra de Jesus?


Resposta: As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. João 10:27,28


Sendo a vida eterna recebida na ressurreição, os filhos de Deus são ressuscitados na derrota da morte.






“E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles.”
Apocalipse 20:11


Viram novamente o passar do céu e da terra?
A derrota da morte e a ressurreição ocorreram no passar do céu e da terra na chegada do Templo Escatógico de Deus.


“Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte.”
1 Coríntios 15:26


E como Jesus poderia concluir seu trabalho de aniquilar a morte?


Destruindo o ministério da morte (70 d.C.) que também foi representado pela Grande Babilônia, a grande cidade de Jerusalém (Ap 11.1,2 e 8 e Ap 17:18).






“Jesus respondeu, e disse-lhes: Derribai este templo, e em três dias o levantarei.”
João 2:19
“Mas ele falava do templo do seu corpo.”
João 2:21


Jesus: o Templo Escatológico que trouxe a ressurreição!


Glória ao Senhor nosso Deus!




Gostou dessa nossa conversa? Deixe um comentário. Esse artigo foi simplificado para ficar menor o tempo de leitura, mas poderá ser revisado e melhorado com sua contribuição. Em breve postaremos o também conhecido "Monte Escatológico de Deus".